Filhos

Meu irmão acabou de me telefonar perguntando de eu sabia do acontecido num centro comercial aqui do Brejo de Baixo. Um cara de 24 anos chegou no local atirando a ermo. Matou 7 pessoas e suicidou. Essa semana um rapaz entrou na escola onde ele estudou e matou 11 adolescentes e também suicidou.

Teve muita gente dando pitaco sobre o atirador do Rio e a saúde/doença mental do matador carioca. Não vou fazer isso.

Sexta-feira, caminhando da estação do metrô para casa, vi dois menininhos de uns 8-9 anos atravessando a linha do metrô num local hiper impróprio e passando por um buraco do muro. Chamei a atenção deles dizendo que aquilo era MUITO perigoso. Os meninos gritaram: E daí, e daí!!!??? E passaram pelo tal buraco do outro lado da linha do trem.

Eu fui prá casa pensando: “menininhos, vocês têm mães, se elas os perderem dessa maneira besta, como elas seguem vivendo?”

Acho que muitas das nossas crianças são deixadas sozinhas, crescem sozinhas e se esquecem dos próprios pais e que as outras pessoas também têm mães e pais. Isso é um dos fatores que possibilita atirar aleatoriamente em semelhantes.

É preciso uma comunidade para criar uma criança, eu vou continuar dando meus pitacos nos meninos que aprontam pelas ruas!

Anúncios
Esse post foi publicado em Filosofia de cordel e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Filhos

  1. Lucia Xavier disse:

    Alice,

    Bem falado, e quem te chamar de conservadora não ligue. Eu não tenho filhos e há pouco, uma pessoa chegada a mim, sugeriu produção independente. Eu falei, isso não, a criança tem direito a dois pais.

    Nos poucos anos que dei aulas no Brasil, fica fácil perceber quem vem de uma familia de pais sozinhos ou separados e crianças de lares mais estruturados. Infelizmente é assim.
    Bom domingo!

  2. Rydi disse:

    Certíssima Alice, eu também sou cri cri e quando vejo coisa errada também falo. Se a gente ignora e acontece algo, pelo menos fizemos nossa parte em alertar.

  3. Cristina Géo Verçoza disse:

    Isso mesmo, temos que fazer a nossa parte. Nem sempre sabem o que estão fazendo ou se estão fazendo para chamar a atenção e se mostrarem independentes… Se fosse com meus filhos, agradeceria se alguém “responsável” os chamasse a atenção. Não consigo mensurar a dor da perda de um filho…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s