Qüem qüem qüem

Hoje foi dia de levar as alianças de casamento para a revisão anual. Filho perguntou prá que tudo isso. Eu mais que depressa respondi que é para elas ficarem novinhas e a gente casar de novo a cada ano.

Depois caí na cilada de ir a pé do Diamond Mall até o consultório do amigo em frente à Associação Médica. Os gringos felizes com a descida e eu apavorada, pois sei que, nessa minha cidade, depois das descidas vem sempre um morrão. 

Chegamos (eu, quase morta!) com seis olhos a serem checados. Tudo certinho com eles (obrigada, amigo!). O filho logo partiu para as perguntas filosóficas sobre o que enxerga quem não enxerga e sobre a vida e morte e a visão.

No fim da conversa eu disse que no futuro talvez exista o celular ligue-além. Filho disse que ele vai ligar prá mim e eu vou dizer: “Eu tô aqui na fila!”

Desentendi: “Fila, que fila” Ele nem escutou minha pergunta e continuou narrando a conversa do futuro: “Eu vou voltar PATO!”

Era a fila da reencadernação!

Anúncios
Esse post foi publicado em Filosofia de cordel e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Qüem qüem qüem

  1. Lucia Xavier disse:

    Bem, eu não volto pato não. Se voltar (veja bem o condicional, se) quero voltar homem, rico e galinha. Sem esses três requistos, não volto nem a pau!!!!!!!!!

  2. Frederico Pereira disse:

    Foi o meu melhor fim do dia de consultório cheio ever! Sou eu que tenho que agradecer. Adoro o papo do filho! Vocês moram no meu coração.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s