Camus

A gente sabe que é mesmo um ET de Varginha, um tchupa-québra quando a gente chega no trabalho e percebe que as pessoas não entram na sua sintonia, as pessoas no metrozão não se olham, e quando se esquecem disso e se olham, NUNCA sorriem.

Em qualquer lugar eu me sinto em casa e em todo lugar eu sou uma estrangeira.

E viva o Albert!

Anúncios
Esse post foi publicado em Filosofia de cordel e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Camus

  1. Botica disse:

    Sinal de que as férias foram boas! 😉

  2. Botica disse:

    BTW, descobri que sorrir clareia os dentes. Principalmente no sol…. LOL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s