Arlindo Orlando

Eu sempre fui uma retardada no quesito paqueras e ataques porno-eróticos.

Nos idos dos anos noventa do século passado, enquanto minhas amigas suspiravam pelo Tonho Cruzes, pelo Ricardo Geraldo ou pelo João Três Voltas eu MORRIA pelo Cláudio Eugênio. E não é pseudônimo! Minhas amigas morriam de rir com meus suspiros nominais. E eu ria delas, pois meu moço não morava em roliúdi, mas ali entre o Santo Antônio e o São Pedro e jogava basquete pelo Minas.

E, caros pitacoleitores, numa festinha lá na minha residência médica, não sei por que cargas d’água, o CE resolveu tomar uma chuveirada. Eu, inadvertidamente, entrei no banheiro que ele por um acaso da sorte deixara destrancado. Ele disse sem pestanejar e com um ligeiro sorriso: “Oi, Alice.” E eu? Eu nada! Acho até que fiz o meu xixizinho. E NÃO ataquei o Cláudio Eugênio.

Eu era uma completa idiota! E se alguém souber dele, pode mostrar o pitaco! Assumo minha paixonite passada. E me passa o contato! hehehehehe

Esse post foi publicado em Filosofia de cordel e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Arlindo Orlando

  1. Marcia disse:

    Eu também era assim, deve ser coisa de canceriana, hahaha! E não suspirava por galâs de Roliúde, preferia cantores de rock🙂 João Três Voltas já vi de perto, os olhos dele são lindos de morrer, mas só.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s